Pesquisa revela que metade dos alunos pensa em desistir do ENEM

Pesquisa revela que metade dos alunos pensa em desistir do ENEM
Compartilhe

Pesquisa realizada pelo Conselho Nacional da Juventude revela que 49% dos alunos que planejam fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) já cogitam desistir da prova e que três em cada dez jovens (28%) pensa em deixar a escola durante a pandemia do novo coronavírus.

A pesquisa ouviu, entre 15 e 31 de maio, mais de 33 mil jovens de 15 a 29 anos em todo o País, por meio de enquete virtual. Os jovens, no ensino médio ou superior, foram questionados em relação a quatro temas – economia, saúde e bem-estar, educação, e perspectivas para o futuro.

Segundo a pesquisa, 7 em cada 10 deles disseram que seu estado emocional piorou durante a pandemia, sentindo ansiedade, tédio e impaciência. A renda familiar também foi afetada: 4 em cada 10 indicam ter diminuído ou perdido o sustento mensal e 5 em cada 10 mencionam que suas famílias tiveram essa redução. Por isso, 33% dos participantes relatam ter buscado alguma maneira para complementar sua renda.

A pesquisa ainda revela que 6 em cada 10 jovens consideram que suas instituições de ensino devem priorizar atividades para lidar com as emoções; e 5 em cada 10 querem aprender estratégias para gestão de tempo e organização. O questionário também revela 34% dos jovens são pessimistas em relação ao futuro e 72% acham que a pandemia vai piorar a economia do Brasil. Mas 96% dizem confiar na descoberta de uma vacina contra o coronavírus e 48% salientam que as relações humanas e a solidariedade receberão mais atenção.

Após pressão de estudantes e parlamentares, o Ministério da Educação (MEC) adiou as datas de aplicação do Enem, antes previsto para novembro. A prorrogação foi defendida sob o argumento de que alunos mais pobres seriam prejudicados, uma vez que as redes públicas têm enfrentado mais dificuldades de oferecer aulas online durante o período de quarentena. O novo calendário da prova, que serve de vestibular para universidades públicas e privadas do País, ainda não foi definido.

Fonte: O Estado de S.Paulo


Compartilhe

Deixe uma resposta